Seu primeiro portal para notícias e críticas literárias!

 

Mario Kart 7.

0
Posted 03/12/2015 by in 3DS

Rating

Nota:
 
 
 
 
 

4/ 5

Plataforma:
 
Título: Mario Kart 7.
 
Publicador: Nintendo.
 
Desenvolvedor: Nintendo EAD.
 
Duração Média: 30 horas.
 
Lançamento: 04/12/2011.
 
Resumo:

Mario Kart 7 tem, salvo alguns deslizes, excelentes pistas e a maioria de seus modos clássicos de corrida e batalha presentes, aperfeiçoados e funcionais. Seu principal ponto negativo, portanto, é o seu grande medo de dar um passo além, como a versão de DS ousou fazer, e trazer elementos que realmente façam uma diferença significativa na forma de se jogar.

by Rodrigo Lopes C. O. de Azevedo
Full Article

As partidas multiplayer que a franquia Mario Kart proporciona são sempre divertidas – um caos de itens explodindo e voando, sem dúvidas, mas um caos controlável. Tanto um jogador novato pode aproveitar as estrelas e o apelativo míssil para não ficar em último lugar quanto um jogador experiente pode desacelerar quando perceber que alguém pegou um casco azul, deixando o novo primeiro colocado levar a bomba. Ou seja, ele é um jogo que consegue entreter qualquer tipo de usuário e sempre manter o nível de competição de uma partida estável. Nesse sentido, Mario Kart 7 pode até não se mostrar um título muito conservador da franquia por tentar expandir algumas ideias e aperfeiçoar as mecânicas existentes, mas peca por não oferecer ao jogador conteúdo suficiente para entretê-lo pelo tempo que poderia.

Os acréscimos à franquia foram variados e, em sua maioria, interessantes. Partes de voo, por exemplo, foram acrescentadas com o uso de uma asa-delta. Embora não surja com frequência, a habilidade de planar se mostra útil para ultrapassar alguns obstáculos terrestres com facilidade e ganhar tempo na corrida, além de garantir certa variedade na dinâmica das pistas. É importante notar que a escassez dessa mecânica ajuda na fluidez das corridas, uma vez que voar demais travaria a ação no solo. Uma hélice também foi adicionada nas partes aquáticas, mas ela não passa de um atrativo estético lógico, visto que, tirando a leve lentidão resultante, não muda a forma de correr dentro d’água.

Um modo de visão em primeira pessoa foi incluído, mas quando o kart é atingido a câmera volta momentaneamente a mostrar a ação em terceira pessoa, possivelmente para não causar vertigem no jogador – não que a maioria vá descobrir isso, já que o jogo nunca se digna a contar que a funcionalidade existe. E é possível jogar usando o sensor de movimento do portátil – uma opção pouco eficaz, visto que ao girar o 3DS a tela onde a ação está ocorrendo obviamente gira junto.

Mas a adição mais impactante apresentada em Mario Kart 7 é o modo de customização de veículos. Agora, antes de cada partida, o jogador pode montar seu kart favorito após a escolha de seu personagem. Essa opção tem seus pontos positivos e negativos. Por um lado, entrega liberdade ao jogador para criar opções divertidas e bizarras de kart, como deixar o Bowser com uma asa-delta florida dentro do ovo do Yoshi, ou para descobrir combinações arrebatadoras de peças que deixam os status de determinado corredor excelentes. Mas por outro, tal função diminui significativamente a individualidade dos corredores, uma vez que, mesmo apresentando status iniciais diversos, o jogador pode torná-los idênticos com as peças corretas.

Não obstante, esse modo levou ao retorno das moedas. Desaparecidas desde a versão de GBA, elas são um incremento altamente positivo, já que influenciam consideravelmente na estratégia da corrida. Afinal, além de disponibilizar peças novas – uma a cada cinquenta coletadas –, cada uma delas aumenta a velocidade máxima do kart, o que estimula a luta não somente pelas caixas de itens como também por qualquer moeda espalhada pela pista.

Mario Kart 7, todavia, não marcou a volta do modo de missões da versão de DS, que estendia o conjunto singleplayer do jogo e forçava o jogador a enxergar a corrida com contornos completamente diferentes, com direito até a chefes de fase – desse modo limitando preguiçosamente o conteúdo do título. Já da versão de Wii, as motos foram abandonadas e o número de jogadores caiu de doze de volta para os usuais oito. E preferindo seguir um caminho comodista, quanto a esse aspecto, os desenvolvedores de Mario Kart 7 não tentaram de forma alguma apresentar qualquer modo de jogo diferente ou fascinante, se limitando aos clássicos da franquia: Grand PixTime AttackBalllon Battle e Coin Battle. Também faz falta um modo customizável de copas, em que o jogador possa escolher as pistas e a quantidade de voltas para correr contra a inteligência artificial.  O modo multiplayer online, no entanto, apresenta a possibilidade de se criar comunidades que deixam escolher os tipos de itens utilizados na corrida.

Quanto a eles, as novidades são ótimas: o Super Leaf casa perfeitamente ao universo da franquia, uma vez que o rabo que ele cria pode não somente atacar inimigos como também proteger o jogador de cascos, e o Lucky 7 se constitui em conseguir sete itens diversos de uma só vez, mas é tão raro que jamais chega a desbalancear uma partida. Mas a principal mudança se deve ao fato do infame Blue Shell agora seguir até o primeiro colocado pelo chão, atingindo quem estiver no caminho. Tal mudança é significativa e muito positiva, pois, como o item é geralmente arranjado pelos jogadores nas últimas posições e tem a principal função de derrubar o primeiro colocado, agora ele se torna útil para quem lançá-lo e não somente um martírio para quem for atingido.

level design dos circuitos, no entanto, é o elemento que certamente mais salta aos olhos. Elaborados de forma a explorar certas mecânicas sem o prejuízo de sua beleza artística, eles são certamente o trunfo do jogo. Music Park, uma pista em formato de instrumentos musicais, é um excelente exemplo. O veículo do jogador correrá por cima de teclados, cairá em cima de tambores que o impulsionarão para cima e fugirá do impacto de grandes notas musicais, adicionando todos os sons produzidos à trilha sonora. Mas, além de ser altamente interativa, Music Park também circula totalmente em torno do turbo que o jogador pode conseguir após apertar o botão do pulo nos instantes em que seu kart for lançado. Portanto, como as teclas pretas do teclado, os tambores e o impacto das notas musicais impulsionam o jogador para o alto, a pista permite o aperfeiçoamento de tal técnica.

Até as escolhas das pistas antigas foram acertadas, trazendo as mais criativas de seus respectivos títulos e formando um rol de respeito: da versão de DS, por exemplo, foi pega a pista Waluigi’s Pinball que se passa dentro de um fliperama e se baseia em curvas fechadas e no recomendável drift. Da versão de Wii, Coconut Mall se faz presente, com suas escadas que punem ainda mais o jogador atacado por itens, e com seus carros que interrompem os desprecavidos. E do Super Nintendo, a Rainbow Road mais simples e difícil da franquia foi escolhida, enlouquecendo o jogador com suas curvas em 90 graus e ausência de bordas seguras. Várias delas também foram revistas para acomodar as novas mecânicas de ar e água e para aprimorar levemente o level design delas. Cocunt Mall, por exemplo, teve as escadas rolantes iniciais substituídas por rampas com brilhantes setas indicando a sua direção – na versão de Wii não era raro descobrir qual estava subindo e qual estava descendo apenas em cima da hora, ação que se tornaria ainda mais difícil na pequena tela do portátil. Porém, algumas mudanças foram negativas: para acrescentar o uso da hélice, os desenvolvedores inundaram o grande tubo da fase Koopa Cave de Mario Kart Wii, eliminando o principal atrativo que ela apresentava: na versão original, uma pequena corrente de água aumentava a velocidade dos veículos a ponto de o jogador perder o controle sobre eles, dessa forma exigindo perfeito controle sobre o kart.

A trilha sonora, por sua vez, se configura a melhor da franquia. Além de possuir melodias enérgicas, cada volta completada na pista faz a trilha intensificar seu ritmo, desse modo transmitindo a intensificação da urgência ao jogador. Mario Kart 7 também  é o que traz o visual mais agradável, graças ao efeito 3D que incrementa a sensação de profundidade, útil para se manobrar em um jogo de corrida, e ressalta os abundantes efeitos de partículas de neve, chuva e lava.

Mario Kart 7 tem, salvo alguns deslizes, excelentes pistas e a maioria de seus modos clássicos de corrida e batalha presentes, aperfeiçoados e funcionais. Seu principal ponto negativo, portanto, é o seu grande medo de dar um passo além, como a versão de DS ousou fazer, e trazer elementos que realmente façam uma diferença significativa na forma de se jogar.

por Rodrigo Lopes C. O. de Azevedo.

Publicado originalmente em 21 de Maio de 2014.


About the Author

Rodrigo Lopes C. O. de Azevedo


0 Comments



Be the first to comment!


Deixe uma resposta

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com