Seu primeiro portal para notícias e críticas literárias!

 


Heresia.

0
Posted 03/12/2015 by in F. Histórica

Rating

Nota:
 
 
 
 
 

2/ 5

Sumário

Genero: ,
 
Autor:
 
Editora:
 
Idioma Original:
 
Título: Heresia.
 
Título Original: Heresy.
 
Tradução: Vera Ribeiro.
 
Edição: 2011.
 
Páginas: 360.
 
Capa: Patti Ratchford.
 
Resumo:

Heresia é, sem qualquer polêmica, um suspense histórico com um pano de fundo espetacular e bastante complexo. Seu problema foi justamente conciliar todas as tramas que ele se propôs a tratar, o que resultou em uma história com problemas severos de foco e ritmo.

by Rodrigo Lopes C. O. de Azevedo
Full Article

Giordano Bruno, protagonista de Heresia, frade e filósofo, foi perseguido pela Inquisição no final do século XVI por pregar a infinitude do universo e o modelo heliocêntrico de seu funcionamento, sendo precursor até mesmo do famoso Galileu. Dizem que sua última fala quando finalmente capturado pela Inquisição em 1600, no momento em que o condenaram à morte por heresia, foi “Os senhores proclamam essa sentença com mais medo do que eu a recebo”. Sua história, bem documentada, serviu de base para a confecção de um suspense que, por mais que possua um pano histórico demasiadamente interessante, falha em harmonizar os elementos que caracterizam suas diversas tramas.

A história de Heresia se passa em um momento bastante específico da vida de Giordano Bruno, contando sobre a sua viagem em 1583 para Oxford, com o pretexto de participar em um debate sobre as teorias de Copérnico. Com base nesse evento, a autora S. J. Parris – o pseudônimo da jornalista inglesa Stephanie Merritt – usa como principal argumento para a narrativa do livro o fato de os verdadeiros propósitos do frade serem outros: a procura de um manuscrito perdido do sacerdote egípcio, Hermes Trismegisto, e a espionagem para o serviço de inteligência inglês, buscando católicos que pudessem estar tramando contra a protestante rainha Elizabeth. Contudo, ao chegar a Oxford, Giordano se vê preso em uma teia de assassinatos misteriosos que sente a urgência de solucionar.

Por essa breve sinopse já é possível constatar a enorme quantidade de objetivos que o protagonista tem que alcançar e, consequentemente, o grande número de subtramas que eles abrem. Amarrar todas essas histórias provavelmente foi o maior desafio que a autora teve que enfrentar, e, infelizmente, é exatamente esse o ponto em que o livro mais peca: aderir às características que todas essas subtramas clamam.

Uma trama de assassinato, por exemplo, costuma começar com o mesmo por motivos óbvios: com esse recurso o escritor almeja apresentar ao leitor o tipo de história que vai contar e captar de imediato a sua atenção em uma só jogada. No entanto, como decidiu minuciar bastante o pano de fundo histórico – algumas referências são um tanto desnecessárias, como a presença alardeada do príncipe polonês na viagem à Oxford – Merrit empurra seu primeiro assassinato por aproximadamente setenta páginas. Desse modo, quando ele finalmente acontece, a noção de que a história está prestes a se tornar um mistério policial, estilo Sherlock Holmes, causa uma surpresa desconfortável ao leitor desprevenido e irritação a aquele que tiver pesquisado sobre o livro, já que aparentemente ele perdeu uma hora da sua vida com outro estilo de história.

Acontece que os assassinatos também não se tornam o principal ponto de Heresia. Enquanto Giordano os investiga – mais por curiosidade mórbida e falta do que fazer em Oxford do que por qualquer motivo em especial – o livro gasta igual tempo na busca pelo manuscrito de Hermes e no fomento das teorias conspiratórias dentro da faculdade inglesa (“Nenhum homem em Oxford é o que aparenta ser”). E como a junção das tramas raramente é realizada de uma forma mais sofisticada do que lançar o protagonista de uma para a outra por coincidências aleatoriamente posicionadas na narrativa, essa falta de foco do livro traz consequências negativas para seu ritmo, uma vez que a atenção do leitor fica sendo constantemente desviada para diversos objetivos distintos, o impedindo de se importar verdadeiramente com qualquer um deles.

A autora acerta, no entanto, na elaboração da atmosfera do livro, que é sempre instigante, claustrofóbica e atrelada à sensação de suspense, mesmo que para isso use truques velhos e básicos, como a presença interminável de chuva e neblina. Já seu estilo de escrita não é nem de perto rebuscado o suficiente como a época em que o livro se passa poderia sugerir que fosse, preferindo aderir um tom bastante simplista e objetivo nas descrições e diálogos – uma escolha que embora não prejudique o livro, também não faz nenhum favor a ele.

Quanto aos personagens de Heresia, os secundários dificilmente podem ser classificados como memoráveis, basicamente se dividindo em dois grupos: as caricaturas típicas de histórias de suspense que aparentam ser bem menos do que realmente são, como 90% dos professores de Oxford, e as que servem de muleta, seja para as ações do protagonista, como Philip Sidney, ou para a movimentação da trama, como o livreiro Jenkins. O único deles que realmente se destaca, além daquele que poderia ser considerado o “vilão”, é o reitor da faculdade, John Underhill, uma vez que, ao sentir mais pesadamente todos os eventos ao longo do livro, demonstra um emocionante conflito entre sua personalidade frágil e a posição de poder que tanto precisa manter.   

Já concernindo o protagonista, Merrit peca ao não fazer jus ao potencial que ele apresentava Giordano Bruno foi um teólogo famoso por suas teorias sobre o funcionamento do universo, se limitando principalmente a dois pontos basilares: o de que a terra não seria o centro de nossa galáxia, mas o sol, e que o universo seria infinito, contendo infinitos planetas, sóis e galáxias, muitas possivelmente habitadas. Entretanto, Giordano personagem de Heresia mal toca nesses assuntos. Com o livro sendo narrado em primeira pessoa, a autora se deu um instrumento perfeito para construir reflexões sobre essas teorias e como o personagem chegou até elas, mas praticamente nada é aprofundado. Até mesmo no debate com o reitor de Oxford, tão alardeado no início do livro, a autora prefere sair pela tangente com a desculpa de não querer aborrecer o leitor com dados inúteis.

Além disso, Merrit também perdeu a oportunidade de explorar uma das mais promissoras ironias presentes em sua história: o fato de o frade ser perseguido pela Inquisição e, ao mesmo tempo, assumir o papel de delator que levará pessoas a serem condenadas à morte por suas convicções religiosas. Essa gritante contradição poderia ter gerado um conflito interno interessantíssimo no personagem, mas é apenas limitada a uma ligeira menção no final do livro. Todas essas oportunidades desperdiçadas, portanto, acabam inevitavelmente sabotando o que poderia justamente destacar Giordano de outros protagonistas rasos de livros similares.

Merrit, todavia, se sai melhor na exploração de outro artifício natural de uma narração em primeira pessoa: a ambiguidade. Por mais que a revelação da identidade do assassino passe longe de surpreender ou empolgar – indo na verdade no sentindo contrário, provando que os assassinatos não passaram de uma subtrama, uma distração, elaborada e demasiadamente demorada – o verdadeiro clímax do livro é eficiente em finalmente desenvolver tanto o antagonista quanto Giordano, ao entregar ao leitor apenas o ponto de vista do protagonista, lembrando-o de que o mesmo pode não ser verdade. Dessa forma, e devido às graves consequências das ações do frade, a autora abre possibilidades de interpretação grandes o suficiente para transformar Giordano em seu próprio algoz e verdadeiro vilão do livro.

É tanto o clímax de Heresia o instante em que a autora se sai melhor que é exatamente nele que ela consegue aplicar as críticas religiosas básicas (“A tolerância destruiria em 20 dias o que 20 anos de sofrimento só fizeram fortalecer”) que o livro inteiro poderia e deveria ter, já que além de trazer o contexto mais propício possível, elas ajudariam a enriquecer a narrativa falha, se bem posicionadas. O fim também constitui a maior prova de que é um fator positivo para o leitor conhecer de antemão a história de Giordano, já que as referencias à sua morte na fogueira são bem abundantes.

Heresia é, sem qualquer polêmica, um suspense histórico com um pano de fundo espetacular e bastante complexo. Seu problema foi justamente conciliar todas as tramas que ele se propôs a tratar, o que resultou em uma história com problemas severos de foco e ritmo. No entanto, seu final – que também resume a força das tramas, concluindo a de espionagem de forma exemplar, a dos assassinatos de forma tola e a da busca pelo livro de forma anticlimática – recobra a força da narrativa e consegue concluir o livro com o impacto que ele por inteiro deveria causar.

por Rodrigo Lopes C. O. de Azevedo.

Publicado originalmente em 10 de Janeiro de 2014.


About the Author

Rodrigo Lopes C. O. de Azevedo


0 Comments



Be the first to comment!


Deixe uma resposta

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com