Seu primeiro portal para notícias e críticas literárias!

 


Jesse Chesnutt e o mistério do planeta T12.

0
Posted 03/28/2015 by in Nacional

Rating

Nota:
 
 
 
 
 

1/ 5

Sumário

Genero: ,
 
Autor:
 
Editora:
 
Idioma Original:
 
Título: Jesse Chesnutt e o mistério do planeta T12.
 
Edição: 2013.
 
Páginas: 199.
 
Capa: Christiano Faig.
 
Resumo:

Jesse Chesnutt e o mistério do planeta T12 é um livro com uma premissa diferente. Entretanto, transformar uma história de zumbis em uma ficção científica de alienígenas requer técnica em um nível que Leonardo Faig ainda não tem. Sua obra é repleta de erros absolutamente bizarros que deveriam ter sido completamente eliminados em um processo de edição decente. Por isso, o livro que foi lançado jamais reflete a intenção do autor, mas somente sua inexperiência.

by Rodrigo Lopes C. O. de Azevedo
Full Article

Jesse Chesnutt e o mistério do planeta T12 faz parte do programa Novos Talentos da Literatura Brasileira, criado pela editora Novo Século. Esse programa visa integrar autores jovens e inexperientes no mercado editorial, representando uma excelente oportunidade para mostrar a capacidade e o potencial de que eles dispõem. A obra de Leonardo Faig, porém, evidencia pouco cuidado na edição do livro, que apresenta erros grosseiros facilmente evitáveis: bastava alguns alertas durante um processo de supervisão adequado para corrigi-los, visto que os principais atentam não contra a estrutura da história ou a seu conteúdo, mas contra o bom senso.

No início de O mistério do planeta T12, um jovem chamado Jesse Kirk acorda preso em seu quarto e percebe que uma estranha e violenta pessoa de olhos esverdeados está do outro lado da porta tentando alcançá-lo. Após escapar de sua casa e de se refugiar em um escritório na rua, Jesse encontra dois homens, Kevin e Brian, que o alertam sobre a infecção generalizada que está transformando as pessoas em criaturas violentas.

O livro segue fielmente a estrutura de uma história genérica sobre apocalipse zumbi, mostrando a formação de um grupo de sobreviventes e as tragédias que vivenciam, enquanto buscam refúgio. Sua única pretensão é a mudança de gênero (uma reviravolta arruinada pela péssima escolha de título), que ocorre perto do final, em que o livro se revela uma ficção científica baseada em alienígenas.

Contudo, qualquer inventividade que a premissa almeja possuir é sabotada pela inexperiência do autor. A prosa de Faig contém tantas falhas bizarras que acaba por chamar a atenção somente para si, impedindo que o leitor aprecie a história.

Logo na primeira página já é possível apontar um dos erros mais comuns do livro: a mudança incessante de tempos verbais. Basta observar o trecho: “Jesse acorda. Seu corpo, totalmente exausto. Os músculos doíam. Ele tentava lembrar-se do que acontecera. Sua visão estava embaçada. Com o passar de minutos, ele começa a enxergar as coisas em sua volta. Estava num beco. O que não conseguia se lembrar era como ele foi parar ali. O beco estava imundo, fedendo a carne morta. E não havia ninguém. Ele tenta se levantar.” Ignorando as inúmeras pausas que prejudicam seriamente o ritmo da leitura, é fácil notar que o autor transita entre o presente do indicativo e o pretérito imperfeito toda hora, sem qualquer justificativa. Normalmente, apenas a escolha de narrar uma história no presente já se mostra um equívoco, mas não contente, Faig ainda muda o tempo sempre que lhe apetece, confundindo o leitor com um caos temporal sem propósito.

Outra mania bisonha do autor é a forma com que utiliza travessões após diálogos. O habitual é que a frase após o sinal se refira a aquele que acabou de falar. Mas em O mistério do planeta T12, ela trata de quem ainda vai se pronunciar. Não é difícil reparar no terrível efeito que isso causa no exemplo abaixo (grifo nosso):

 “Kevin acelera o mais rápido possivel.

– Você está bem?! Fale comigo! – Yan tentava falar algo.

– C-c…

– Fale! Qualquer coisa!

– C-casa…”

Faig parece empenhado em afastar o leitor de seu livro. Além de violentar a norma padrão, ele também não se preocupa em deixar os acontecimentos da história consistentes. Em um flashback, por exemplo, o leitor descobre que Brian trabalha em uma penitenciária da qual Kevin é um importante prisioneiro. Na cena, Brian, junto a um colega de trabalho, assiste a um absurdo noticiário que prefere avisar a todos da fuga de Kevin a mencionar o ataque zumbi que a ocasionou. Não demora então para eles serem igualmente atacados, o colega ser morto após uma fala terrível (“Ah! Eles me pegaram! Eles me pegaram!”) e Brian ser resgatado, coincidentemente, por Kevin. Nesse momento, não somente nenhum dos dois personagens se reconhece como, ignorando conjuntamente isso, Kevin menciona o nome de Brian páginas depois enquanto está expressamente escrito que eles não se apresentaram e que permaneceram calados o tempo inteiro.

Aliás, momentos similares de insanidade não faltam. A partir da metade do livro, o leitor encontrará alguns personagens que parecem apresentar quadros preocupantes de esquizofrenia. Um soldado de uma instalação científica, por exemplo, não sabe muito bem o que faz, não decidindo se entra ou não na cela de seus prisioneiros (grifo nosso):

“Havia um soldado de roupas brancas na porta. Carl faz um movimento com a cabeça. O soldado entende, e entra na cela. Já esperava por uma reação assim.

– O que você quer?! – grita Jesse, que já estava quase sem energias. O soldado se aproxima da cela. Carl falava algo muito baixo para que somente o soldado pudesse entender.”

Em outro momento, um homem chamado Elliot recebe ordens enquanto fala sozinho com um telefone mudo:

“Elliot se levanta e vai para o lado de fora. Escondido, ele pega um celular e digita um número rapidamente. Em poucos segundos, alguém atende.

– Senhor? É Elliot – mudo. Alguém falava do outro lado da linha.

– Kevin está aqui. – mudo.

– Sim, senhor. Está como prisioneiro. Não tive a oportunidade de fugir das mãos de Erik ainda, mas pretendo retornar para vocês o quanto antes. – mudo.

– Quer que eu mate Kevin? Ele pode trazer problemas. – mudo.

– Farei o possível. – Elliot desliga, pensando no que fazer.”

A intenção do autor nesse trecho possivelmente era dizer que as pessoas ao redor de Elliot não conseguiam escutar a voz no telefone. Mas o fato de não haver ninguém ao lado dele enquanto falava torna até mesmo desnecessária essa péssima estratégia.

Cenas absurdas como essa são tão recorrentes no livro que conseguem a proeza de deixá-lo engraçado. Em determinado instante, Jesse lamentará a explosão de um carro que os ajudou desde aquele momento; logo em seguida Carl refletirá que, como andar em linha reta não será suficiente para escapar dos infectados, ele devem correr para os lados; e cinco páginas depois, Jesse estará tentando estancar o sangue de um dedo quebrado. Os diálogos são ainda mais hilários, chegando ao ponto de um alienígena dizer para Jesse: “No nosso planeta costumamos ter um cérebro muito bem desenvolvido”. Apesar disso, Faig apenas alcança seu ápice quando avisa que um flashback se iniciará, posicionando a palavra no início da narração.

O autor sequer tenta fazer com que seu livro represente uma alegoria de algum assunto importante ou discuta qualquer tema relevante – funções de qualquer história, seja de zumbis ou ficção científica. O único ponto positivo que lhe pode ser atribuído é a construção da estrutura narrativa: Faig é hábil em preparar o terreno para a reviravolta de gênero e em espaçar os momentos de tensão, embora nesse ponto também falhe em construir um clímax minimamente empolgante, uma vez que prefere deixar o principal antagonista fora dele.

Jesse Chesnutt e o mistério do planeta T12 é um livro com uma premissa diferente. Entretanto, transformar uma história de zumbis em uma ficção científica de alienígenas requer técnica em um nível que Leonardo Faig ainda não tem. Sua obra é repleta de erros absolutamente bizarros que deveriam ter sido completamente eliminados em um processo de edição decente. Por isso, o livro que foi lançado jamais reflete a intenção do autor, mas somente sua inexperiência.

por Rodrigo Lopes C. O. de Azevedo.

Publicado originalmente em 15 de Agosto de 2014.


About the Author

Rodrigo Lopes C. O. de Azevedo


0 Comments



Be the first to comment!


Deixe uma resposta

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com