Seu primeiro portal para notícias e críticas literárias!

 


Tempo do Desprezo.

0
Posted 05/18/2015 by in Fantasia

Rating

Nota:
 
 
 
 
 

3/ 5

Sumário

Genero:
 
Autor:
 
Editora:
 
Idioma Original:
 
Título: Tempo do Desprezo
 
Título Original: Czas pogardy
 
Tradução: Tomaz Barcinski
 
Edição: 2015
 
Páginas: 347
 
Capa: Alejandro Colluci
 
Resumo:

Andrej Sapkowski é um autor que não evoluiu em quatro livros, apenas tornou-se mais ambicioso, aumentando o número de falhas em sua prosa e em sua história. No entanto, como elas sempre foram de boa qualidade, o impacto não acaba sendo tão grande.

by Rodrigo Lopes C. O. de Azevedo
Full Article

Tempo do Desprezo, o quarto volume de A saga do bruxo Geral de Rívia, traz o melhor e o pior de seu autor, o polonês Andrzej Sapkowski: por um lado, o leitor encontra uma história repleta de personagens intrigantes e relações sociais complexas em um texto ora despretensioso, ora intenso; por outro, também se depara com a insistência do autor em explicar o significado do título de sua obra e com sua incapacidade de montar uma narrativa consistente em um romance.

A história inicia-se logo após os eventos de O Sangue dos Elfos, com a princesa Cirilla sendo levada por Yennefer a uma escola de feitiçaria, enquanto Geralt tenta descobrir a identidade e as intenções dos perseguidores da menina.

Ciri permanece como a protagonista e seu futuro é a grande questão da história: seu bom coração prevalecerá no final ou será a maldição ligada a sua linhagem que ditará suas emoções e ações, levando-a ao caminho da guerra? Teria ela livre arbítrio para escolher que estrada percorrer ou seu destino já estaria selado?

O tema do livro, portanto, assemelha-se ao do ótimo segundo volume da saga, A Espada do Destino. Consequentemente, o fatalismo daquela obra mostra-se presente nesta, carregando a atmosfera da história com pessimismo: o leitor passa a questionar se Ciri tem capacidade de enfrentar algo que nem mesmo Geralt conseguiu anteriormente.

Sapkowski trabalha bem com essa atmosfera, reforçando-a ao colocar a personagem como um sinal de mau agouro. As profecias que ela enuncia, que sempre indicam a morte de alguém, concretizam-se exatamente como ela alerta que irão. Não somente isso, como o próprio conceito de morte está constantemente sendo relacionado à menina. O cavaleiro que a persegue, por exemplo, é somente caracterizado como aquele que possui um elmo negro com formato de asas de ave de rapina. Essa alusão a abutres e urubus revela-se ainda mais pertinente quando se nota que Ciri parece em busca de carniça, sendo a todo momento atraída para situações que resultam em diversos cadáveres espalhados pelo chão. Em determinada cena, Sapkowski – pouco sutil –  ainda coloca uma cavalaria fantasmagórica seguindo a garota durante uma tempestade.

Ciri, por outro lado, é uma bruxa que se recusa a matar outro ser humano, mesmo que sua própria vida esteja em risco. Ela é uma criança curiosa e cheia de energia, cuja personalidade contrasta absolutamente com a aura que a cerca. Ela apronta travessuras o tempo inteiro, é infantil a ponto de nomear um unicórnio que encontra de “cavalinho”, acredita que dá respostas afiadas a seus instrutores (mesmo que algumas sejam, na verdade, apenas inocentes) e ainda não aspira a nada além de ficar perto daqueles que ama.

A princesa, no entanto, não está alheia à crueldade do mundo: seu trauma, criado quando assistiu a seu reino ser invadido e a seus protetores serem assassinados, ainda a persegue, influenciando suas decisões. Aliás, Sapkowski pinta Ciri como uma criança em constante estágio de aprendizagem, mostrando-a sempre observando as pessoas que a rodeiam, o que elas conversam e fazem, usando a informação para fundamentar suas decisões – o que faz o leitor temer por ela, visto que a bruxa é influenciável e bem mais virtuosa que os seres ao seu redor. Deste modo, ela configura-se uma personagem interessante, pois é formada pela discrepância entre seu alegre modo de agir e o clima trágico que paira sobre si.

Esse contraste também se reflete no tom da narrativa, que varia entre extremos, às vezes no mesmo capítulo, surpreendendo o leitor. Tempo do Desprezo tem cenas típicas de literatura infantojuvenil, como a aventura de Ciri pela cidade que resulta no seu embate contra um monstro; de comédia satírica, como o longo encontro de feiticeiros que mais parece uma paródia das intrigas políticas de A Guerra dos Tronos; e de violência crua e gratuita, presente nas descrições envolvendo um grupo de rebeldes. Em um momento o leitor está lendo diálogos bem clichês e em outro, discussões filosóficas. É um livro que contém passagens de humor grotesco (“Vou me manter alerta – suspirou o bruxo – mas não creio que esse seu experiente jogador esteja em condições de me surpreender. Não depois de tudo que passei aqui. Fui assediado por espiões e atacado por répteis marinhos. Fui alimentado com caviar inexistente. Ninfomaníacas que não gostam de homens puseram em dúvida minha masculinidade, ameaçaram-me de estupro sobre um ouriço, assustaram-me com a possibilidade de uma gravidez e até com um orgasmo, um orgasmo provocado sem os movimentos rituais”) e relatos chocantes (“No vale do Velda, o bando foi dizimado por desertores nilfgaardianos, que mataram todos os caçadores e seus escravos de sexo masculino. Pouparam apenas as mulheres, que não sabiam o porquê disso. Tal desconhecimento, porém, não permaneceu por muito tempo. Mistle foi a única que sobreviveu. Da vala da qual foi atirada nua, coberta de hematomas, excrementos, lama e sangue coagulado, ela foi tirada pelo filho do ferreiro do vilarejo”).

Sapkowski, assim como nos livros anteriores, movimenta-se entre essas passagens com elegância, não fazendo com que as mudanças de tom soem muito bruscas, ao colocar sempre traços de humor – principalmente ironia – nas sequências mais leves e um pouco de violência tanto nas cenas de comédia quanto nas infantojuvenis (um cachorrinho, por exemplo, é dilacerado pela criatura que Ciri enfrenta na cidade). Já os momentos intensos de violência são precedidos por um aumento gradual da tensão, o que também ajuda a intensificar o impacto delas. Com isso, Sapkowski deixa seu livro imprevisível e o leitor interessado.

Apesar disso, Tempo do Desprezo assemelha-se em quase nada ao livro que iniciou a série, O Último Desejo. O primeiro volume é uma despretensiosa coletânea de contos que busca inspiração nos contos de fada clássicos, como A Branca de Neve e A Bela e a Fera, preocupando-se somente com os dilemas morais do protagonista Geralt, e já aqui se tem um romance começando a adquirir proporções épicas, que há muito abandonou suas inspirações originais e até mudou seu protagonista.

A questão da neutralidade tão defendida por Geralt, mas criticada por outros no primeiro volume, por exemplo, ganha apenas uma breve menção em Tempo do Desprezo quando um dos personagens provoca o bruxo, tornando-se mais um a alertá-lo que se manter neutro em questões políticas e sociais pode muito bem ser equivalente a dar suporte ao lado opressor: um feiticeiro pergunta a Geralt qual sua posição quanto ao feminismo – se as mulheres devem permanecer submissas ou lutar para garantir tratamento e direitos iguais aos homens – apenas para divertir-se com o bruxo travando ao perceber o que significaria sua resposta habitual.

Sapkowski, aliás, faz desse livro o mais complexo no tratamento de questões sociais. O melhor exemplo é como o grupo de elfos e anões rebeldes Scoia’tael é representado. Seria simples para o autor limitar-se à questão do racismo presente (todos os inumanos sofrem até impostos adicionais por serem quem são) e descrevê-los de forma unidimensional. Mas Sapkowski vai além, colocando o imperador de Nilfgaard – que planeja expandir seus territórios para o continente de Geralt – fomentando uma cultura de ódio no grupo rebelde, desvirtuando seus objetivos primários e fazendo-os cometer e defender as mesmas atrocidades que sofreram. Os Scoia’tael não mais lutam por seus direitos, mas são manipulados e guiados pelo imperador a causar instabilidade política na região e a auxiliá-lo a tomar o poder.

Todavia, Spakowski apresenta muitas dificuldades em expor informações sobre o universo que criou, agora que ele expandiu e tornou-se complexo. As explicações oferecidas ao leitor são longas e didáticas, com personagens relatando uns pros outros os acontecimentos durante várias páginas. É certo que o autor sempre oferece algum motivo para os personagens discutirem essas informações – não se configurando um caso de exposição gratuita – mas está longe de ser o ideal, uma vez que subestima a inteligência do leitor.

O que Sapkowski também faz ao persistir em explicar o significado do título do livro. Algumas vezes o termo “Tempo do Desprezo” aparece com sentido ligeiramente diferente, mas na maioria é apenas repetição da mesma ideia, como se o autor quisesse ter certeza que o leitor entendeu a mensagem e duvidasse que ele fosse capaz disso em apenas quatro tentativas.

Além disso, como no volume anterior, o autor também falha na construção da estrutura da narrativa – que é praticamente uma zona – trazendo seu clímax na metade e um epílogo tão enorme que mais parece o início de uma nova história. O terceiro volume, Sangue dos Elfos, termina sem um clímax, o qual só vai ocorrer na metade deste. A cena em si é empolgante e dramática e teria funcionado perfeitamente no final daquele livro, mas na metade de Tempo do Desprezo ela perde sua força por um motivo simples: boa parte de seu desenvolvimento ocorreu no livro anterior. Não somente isso, como, após seu clímax, esse romance continua por quase duzentas páginas, passando a impressão de estar começando uma nova história com novos personagens e cenários. É verdade que, caso Tempo do Desprezo tivesse terminando após o clímax, ele teria transmitido uma mensagem oposta sobre o destino de Ciri a aquela que transmite ao seu término– o que provavelmente motivou Sapkowski a arrumá-lo de tal forma –, mas isso não muda o fato de que a estrutura narrativa do livro não faz o menor sentido.

Andrej Sapkowski é um autor que não evoluiu em quatro livros, apenas tornou-se mais ambicioso, aumentando o número de falhas em sua prosa e em suas histórias. No entanto, como elas sempre foram de boa qualidade, o impacto não acaba sendo tão grande. Só resta ao leitor torcer para que Sapkowski acostume-se a escrever romances de fantasia épicos ou volte aos excelentes contos despretensiosos que sabia fazer tão bem antes.

por Rodrigo Lopes C. O. de Azevedo.

18 de Maio de 2015.


About the Author

Rodrigo Lopes C. O. de Azevedo


0 Comments



Be the first to comment!


Deixe uma resposta

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com