Seu primeiro portal para notícias e críticas literárias!

 

Brothers: A Tale of Two Sons.

0
Posted 06/08/2016 by in iOS

Rating

Nota:
 
 
 
 
 

4/ 5

Plataforma: , , , , ,
 
Título: Brothers: A Tale of Two Sons.
 
Publicador: 505 Games.
 
Desenvolvedor: Starbreeze Studios.
 
Duração Média: 4 horas.
 
Lançamento: 07/08/2013.
 
Diretor: Josef Fares.
 
Compositor: Gustaf Grefberg.
 
Resumo:

Brothers: A Tale of Two Sons é uma breve e comovente aventura que se destaca pela forma com que torna jogabilidade e história elementos indissociáveis um do outro.

by Rodrigo Lopes C. O. de Azevedo
Full Article

Desenvolvido pela Starbreeze Studios (The Chronicles of Riddick: Escape from Butcher Bay), Brothers: A Tale of Two Sons é uma aventura tocante, cujos elementos dramáticos e fantásticos emocionam e intrigam nas mesmas proporções. Com uma jogabilidade simples e funcional que reflete a relação mantida entre os personagens principais, Brothers é um jogo que falha apenas em um momento: a reviravolta que leva ao clímax, além de previsível, não se conecta ao tema geral da história.

O início do jogo é pautado por tragédias. Após um acidente de barco, um menino tenta trazer uma mulher de volta a bordo, mas seus músculos são incapazes de segurá-la por muito tempo. Anos depois, ele encontra-se na beira de um penhasco ao lado de uma árvore, contemplando o túmulo de sua mãe, quando seu irmão mais velho surge suplicando por ajuda: o pai deles está passando mal e precisa ser levado até o ancião da vila. O sábio, entretanto, explica aos garotos que não pode iniciar o tratamento, pois a única cura reside em uma longínqua árvore mágica. Eles, então, partem imediatamente em busca dela.

A jogabilidade de Brothers é única, simulando a dinâmica entre os personagens principais. Cada irmão é controlado por um analógico do controle: o mais velho pelo esquerdo e o mais jovem pelo direito. Além disso, os gatilhos servem como um botão de ação para cada um.

Esse arranjo resulta em um jogo que é ao mesmo tempo singleplayer e cooperativo. A primeira tarefa do jogador é locomover o pai dos garotos em um carrinho de mão, mas eles estão segurando cada ponta e precisam ser movidos em sintonia. Ao chegar a um elevador cuja alavanca de ativação está em uma plataforma elevada, o jogador tem que posicionar o mais velho de forma a dar apoio para o outro pular, alcançar a beirada da plataforma e acionar o dispositivo.

Os desafios do jogo são todos elaborados em torno da cooperação entre os dois personagens. Até mesmo os eventuais embates contra os “chefes de fase” não fogem dessa diretriz: um troll, por exemplo, requer que o mais jovem coloque-se como isca, correndo de um lado para o outro atraindo o monstro, enquanto seu irmão ativa uma armadilha no tempo certo – ações que são realizadas ao mesmo tempo pelo jogador.

A lógica desses puzzles é delimitada pelas características de cada irmão: o mais novo, por se magro, consegue passar por meio de grades, por exemplo, enquanto o mais velho é capaz de pular mais alto e empurrar objetos pesados.

Já a personalidade deles é construída a partir de suas interações com o cenário – realizadas pelo botão de ação. Eles reagem às mesmas situações de forma diferente: o irmão mais velho, marcado por sua roupa azul, surge sempre centrado em seu objetivo, mostrando seu mapa às pessoas e pedindo indicações. Ele também age de forma atenciosa, ajudando estranhos sempre que pode, seja varrendo o chão para uma moça ou parando para cuidar das plantas junto a um jardineiro. Por outro lado, o mais jovem, de laranja, só quer saber de brincadeira: ele tenta equilibrar a vassoura da mesma moça na palma da mão e ainda desfere uma tapa na bunda do jardineiro. Todavia, é ele e não seu irmão quem decide abrir a gaiola de um pássaro para libertá-lo e que se mostra mais hábil no manejo de uma harpa, levando um músico a bater palmas de alegria. Ou seja, ambos trazem felicidade a aqueles a seu redor, mas cada um a sua maneira.

O efeito mais interessante do esquema de controle empregado é a conexão do jogador com a relação estabelecida entre os irmãos. O joystick funciona como uma manifestação física da união dos personagens, sugerindo, ao mesmo tempo, que são diferentes – cada um com seu próprio analógico e gatilho –, mas invariavelmente unidos – pelo mesmo controle.

A equipe da Starbreeze explora bem essa sintonia nos momentos chaves do jogo. Eliminar o controle de um dos irmãos em certa cena, por exemplo, transmite a mesma sensação de perda dos personagens ao jogador. Do mesmo modo, no clímax, a volta desse controle em um contexto diferente conclui brilhantemente o arco de um dos irmãos, completando sua jornada de independência e maturidade.

Beneficiado por sua pequena duração, Brothers apresenta um ritmo impecável, mesclando possibilidades de interação com o cenário com ligeiras sequências de plataforma – os irmãos têm habilidades de parkour tão avançadas quanto o protagonista de Prince of Persia – e emocionantes cenas de ação, como um empolgante voo de asa delta e uma súbita descida por uma corredeira, que injetam necessárias doses de adrenalina para manter o jogador interessado.

Também é interessante notar como a fantasia no universo do jogo vai se tornando cada vez mais proeminente com o avanço do jogador – a vila inicial não contém nenhum aspecto fantástico, enquanto o clímax transcorre em um ambiente completamente mágico – e ganhando traços alegóricos – a violência presente no mundo dos adultos é traduzida para as ações de gigantes, por exemplo.

A morte, por sua vez, é o tema que amarra os acontecimentos, iniciando, concluindo e fazendo parte de toda a jornada dos irmãos. Quando eles caem na corredeira, por exemplo, é logo após atravessarem um cemitério, e nas águas há velas de luto acompanhando-os na descida, criando uma metáfora visual belíssima.

É uma pena, portanto, verificar que são justamente os eventos que levam ao clímax do jogo os mais falhos e frágeis da narrativa.  Por colocarem uma mulher como elemento de conflito entre os irmãos, os desenvolvedores – além de caminharem por território moralmente reprovável – fazem o último ponto de virada da história ser totalmente deslocado tematicamente do restante do jogo: ele não é sobre perda e luto, mas ciúme. Desse modo, ele não surge organicamente na narrativa, soando profundamente tolo.

Brothers: A Tale of Two Sons é uma breve e comovente aventura que se destaca pela forma com que torna jogabilidade e história elementos indissociáveis um do outro. Assim, trata-se de um jogo de videogame por excelência, cuja adaptação para outras mídias é praticamente impensável e cujas versões para iOS e celulares – por dispensarem o controle convencional – não são nem um pouco recomendáveis.

por Rodrigo Lopes C . O. de Azevedo.

08 de junho de 2016.

Trailer:


About the Author

Rodrigo Lopes C. O. de Azevedo


0 Comments



Be the first to comment!


Deixe uma resposta

Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com